Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GRAMOFONE

às voltas com os discos às voltas.

GRAMOFONE

às voltas com os discos às voltas.

Linguados Poetas @ Má Língua (Sessão 1)

aY (2).jpg 

Arrancou no passado fim-de-semana no Má Língua o ciclo de cantautores baptizado de Linguados Poetas, curado por David Caiado, que apenas vem vincar o papel de dinamizador cultural e artísticos que o estabelecimento localizado na Graça tem ostentado desde que abriu portas. Para quem ainda não teve a ousadia de entrar no Má Língua, além de recomendarmos vivamente que o faça, deve fazer-se saber que leva regularmente a cabo mostras de artes plásticas, cinematográficas, musicais, além das delícias grastronómicas que constam do menu sempre desafiante deste bar localizado na Rua da Senhora do Monte.

Simão Palmeirim, cabecilha da formação musical Não Simão, aceitou o desafio de cortar a fita desta mostra de cantautores, entoando a solo o repertório da sua banda. Há muito tempo que não enfretava o palco sozinho, mas não se notou minimamente. Pelo contrário, o contacto com o público foi sempre bem conseguido, para não falar da parte musical, sempre enriquecida pelos jogos de palavras com que edifica as suas composições. Jogos de palavras que vai submentendo a jogos de vozes, por meio do sequenciador a que recorre para oferecer mais robustez às canções, além do afinadíssimo assobio que espreita de quando em vez. Foi percorrida toda a discografia de Simão, desde o EP de estreia até uma canção ainda não editada.

A estrela seguinte a passar pelo palco do Má Língua foi Mick Mengucci, um verdadeiro globetrotter da música de rua, que deambulou pelo samba, o funk, o spoken word, a soul, ou o reggae, nunca perdendo a energia com que começou a sua actuação. Músico poliglota, foi contado as histórias que movem as suas canções, desde o espaço cultural ao ar livre que é/era o Adamastor (onde agora brilha um luxuoso hotel, graças à CML), a São Francisco e os seus músicos de rua, ou aos amores de Erasmus. Um concerto que foi uma valente enciclopédia musical, assemelhando-se por diversas vezes a uma one-man jam session.